Notícias

17 de maio de 2019Por que cada vez mais leigos entram em faculdades de teologia?

Entrevistado pela agência católica portuguesa Ecclesia por ocasião dos 50 anos da Faculdade de Teologia da qual é vice-diretor, o pe. Alexandre Palma observa que a “inquietação intelectual” leva cada vez mais gente ao curso de teologia, que não se destina apenas a futuros sacerdotes.

Ele fala mais sobre este cenário, expondo motivos que podem levar um jovem estudante a perceber que a teologia pode ser uma área de estudo e de investigação que não está desligada da nossa realidade nem do contexto em que vivemos:

“A teologia lida com a questão fundamental da condição humana, que é, no fundo, a questão de Deus, que é um lado da medalha da questão sobre nós próprios, quem somos. A teologia não terá o monopólio destas questões fundamentais, bem entendido, mas é claramente um campo da reflexão humana que trabalha esta questão fundamental.

Nós trabalhamo-la particularmente a partir do horizonte da experiência cristã, onde nos perguntamos, investigamos criticamente, hermeneuticamente, como é que a tradição cristã foi sendo pensada, vivida, absorvida, assumida, testemunhada, como é que ela foi evoluindo no tempo, como é que ela se coloca diante dos desafios do presente. E conhecer este elemento, este conjunto de realidades, parece-me um dado fundamental, seja para quem procura conhecer o cristianismo a fundo, seja para quem procura conhecer o impacto que o cristianismo, ou a dinâmica do religioso, teve, tem e terá nas sociedades modernas.

Creio que não podemos fazer uma justa interpretação da história da humanidade, seja o seu passado, no presente ou na perspectiva do futuro, ignorando este tópico, e, portanto, um conjunto de competências inerentes à reflexão teológica parecem-me absolutamente centrais para perceber esta dimensão que não conseguimos eliminar do coração humano”.

A Faculdade de Teologia, segundo o pe. Palma, também oferece uma relevante contribuição ao diálogo cultural:

“Sim, trazer esta outra racionalidade… Trazer ao conjunto a harmonia dos saberes, das várias racionalidades que habitam no espaço universitário, mas genericamente habitam nas sociedades. Trazer a voz desta racionalidade que parte de uma experiência religiosa, enriquece o espaço público e ao mesmo tempo também enriquece a própria experiência religiosa, porque ela aí vê-se confrontada com a necessidade do diálogo, do confronto, de ajustar o seu diálogo, ajustar o seu próprio testemunho. Há aqui uma espécie de relação recíproca entre o bem que é para a sociedade ter a teologia no seu seio e do bem que é para a teologia estar no espaço comum, no espaço público”.

_____________

A entrevista completa com o pe. Palma pode ser lida no site da agência Ecclesia

Fonte: http://pt.aleteia.org/feed/

Voltar

Comunidade Católica - Maria Mater Familiae
(84) 3222-3458 / 3211-8874
mariamater@mariamater.com.br